Paparicagem merecida a esse Baphônico.


Meu amor,meu Idolo,meu tudo...Alexandre Herchcovitch.






Marcelo Sommer e Alexandre Herchcovitch

 
Vocês conhecem o Alexandre Herchcovitch? Claro! O estilista paulistano Alexandre Herchcovitch cria oito coleções anuais para a própria marca, criações de produtos licenciados para diversas empresas, desfiles anuais na badalada Semana Prêt-À-Porter de Paris, na Semana da Moda – 7th on Sixth, em Nova York, e dois por ano no São Paulo Fashion Week. Sua trajetória na moda brasileira foi construída em pouco mais de dez anos de carreira, suficientes para transformar o nome Alexandre Herchcovitch em uma das marcas mais poderosas do mundo fashion.
Herchcovitch criou uma sobremesa para um café de Paris

PARIS — Um dos mais famosos estilistas brasileiros, Alexandre Herchcovitch, aventurou-se na gastronomia francesa, em uma iniciativa que reunirá designers dos quatro países emergentes conhecidos como BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China).

Herchcovitch, que já apresentou suas coleções em Paris e agora desfila em São Paulo e em Nova York, criou para o histórico Café de la Paix, em frente à Opera de Paris, uma sobremesa que reúne a cozinha brasileira e a francesa. Os desenhos do estilista são de vanguarda atraem uma clientela internacional.
Batizado de "French Brigadeiro", a sobremesa, que será servida entre janeiro e maio do ano que vem por 14 euros, recria um dos doces mais típicos do Brasil, eterno favorito das festas de aniversário, destacou Herchcovitch durante a apresentação de sua criação gastronômica.

"É uma sobremesa brasileira mesclada com mousse francesa", informou, recordando que o brigadeiro veio de Portugual. "É um doce muito antigo", destacou o estilista, nascido em 1971 em São Paulo.
A iguaria de chocolate leva leite condensado e manteiga, e o estilista misturou ainda claras de ovo batidas para dar mais leveza.

Herchcovitch, cujas criações ecléticas se destacam por suas cores vibrantes, escolheu para o prato apenas uma cor, a do chocolate, usando suas diferentes nuances. Para incrementar, um sorvete com flocos de guaraná, fruta nativa do norte do Brasil.
Herchcovitch disse à AFP que esta experiência gastronômica foi "interessante", mas que suas intenções são de seguir a moda. "Gosto de comer bem, mas não tenho interesse comercial na gastronomia", contou.
O brasileiro disse ainda ter gostado mais da experiência pela "ideia de misturar duas receitas de dois países, muito interessante".

Enfatizou, no entanto, que não tinha o intuito de fazer referência ao Brasil em seus desenhos de roupa. "Minhas criações são brasileiras só porque nasci no Brasil", afirmou Herchcovitch, cujos avôs vieram da Polônia para o país sul-americano.

"A fusão de culturas é muito comum" no universo da moda, disse o chamado "enfant terrible" da moda brasileira, que deu seus primeiros passos neste mundo fechado, aos dez anos.
O brasileiro, que abriu recentemente uma loja no Japão e onde é muito conhecido, apresentou suas coleções em Paris entre 2001 e 2004. Agora, desfila na semana de Moda de Nova York e na de São Paulo.

"A moda para mim é a maneira como a gente se expressa através da roupa. O vestuário diz muito sobre quem somos", disse à AFP Herchcovitch, que reflete em seu estilo as influências de sua educação judaica ortodoxa, assim como a vontade de abalar o status quo.
Depois do brasileiro, será a vez do russo Valentin Yadashkin criar uma sobremesa. Depois, o indiano Manish Arora e o chinês Franloe Xie inventarão seus pratos.

desfile-alexandre-herchcovitch-ny-11

Biografia De Alexandre Herchcovitch

Nascido em 21 de Julho de 1971 em São Paulo, SP, teve seus primeiros contatos com a moda através de sua mãe, Regina Herchcovitch, aos 10 anos de idade, quando esta lhe passou noções bàsicas de modelagem e costura a pedido de Alexandre, que logo começou a por em pràtica as lições aprendidas. Regina passou a usar em festas as roupas que Alexandre confeccionava o que o incentivou a vender suas criações para seus amigos.

Durante a adolescência, Alexandre frequentou o circuito alternativo da noite paulistana.
Fez o seu desfile de graduação em Desenho de Moda na Faculdade Santa Marcelina, uma faculdade de tradição cristã-em 1993, e na época jà possuía sua própria marca, com o logotipo que carregava sua assinatura mais dois crânios.
 
Sua trajetória na moda brasileira foi construída em pouco mais de dez anos de carreira, sendo que a marca e o estilista Alexandre Herchcovitch obtiveram uma grande repercusão e reputação no mundo da moda brasileira e internacional.

O estilista paulistano Alexandre Herchcovitch cria anualmente 4 coleções para a própria marca, criações de produtos licenciados para diversas empresas, desfila suas coleções na Semana da Moda - 7th on Sixth, em Nova York, e duas vezes por ano no São Paulo Fashion Week.Ele tem 4 lojas no Brasil e uma loja no Japão, além da loja virtual.

Em 2002, Herchcovitch assumiu a direção de criação da Cori, com a missão de rejuvenescer a clássica grife, que, com uma nova cara, ingressou no São Paulo Fashion Week.

O estilista assumiu em 2006 a direção da Faculdade de Moda da FMU, em São Paulo. E ainda lançou recentemente um concurso de modelos, na tentativa encontrar alguém que representasse a "beleza brasileira".
Isso tudo sem contar a diversidade de produtos que tem criado em parceria com grandes marcas: calçados para a Democrata, jóias para a Dryzun, meias e cuecas para a Lupo, fundos de tela de telefones celulares para a Motorola, sandálias para a Melissa, cadernos para a Tilibra, Óculos para a grife brasileira Chilli Beans. Uma dessas parcerias, com a Hello Kitty, chamou a atenção da cantora Björk, que saiu na revista francesa Art Actuel em 2003, vestindo uma camiseta com a estampa de Carmen Miranda.

Herchcovitch também trabalhou na Zoomp e na Ellus. Atualmente, tem quatro lojas próprias, desenha modelos exclusivos em seu ateliê, exporta a linha jeanswear para os Estados Unidos e Reino Unido.

Em Outubro de 2007, estreou como jurado do programa Brazil's Next Top Model do canal a cabo Sony. No programa, ele concedia dicas de moda e julgava as aspirantes a modelo.
Alexandre Herchovich também criou os uniformes do Mc Donald's Brasil em 2006.
No final de 2007, Herchcovitch encerrou seu contrato com a Cori e voltou para a Zoomp, apresentando sua coleção de reestréia no SPFW outono inverno 2008. Hercovitch é hoje diretor de criação do SENAC.

Biografia: Alexandre Herchcovitch



Alexandre Herchcovitch - "O brasileiro não liga para a qualidade"
 
Em resposta aos leitores de ÉPOCA, o estilista diz que as pessoas ainda escolhem roupas só pelo preço
Revista Época
 
Um dos estilistas brasileiros de maior sucesso no exterior, Alexandre Herchcovitch conseguiu ascender do cenário underground paulistano – no início da carreira, chegou a desenhar modelos para drag queens e prostitutas – para os desfiles de alta-costura de Paris e Nova York. As camisetas e as calças de alfaiataria viraram suas marcas registradas e, hoje, suas peças são vendidas em uma loja própria em Tóquio e exportadas para todo o mundo. Dirige duas marcas e tornou-se grife fora das passarelas, desenhando desde uniformes para atletas até roupas de cama. Nesta entrevista aos leitores da revista, diz como é seu processo criativo e afirma que os brasileiros escolhem suas roupas mais pelo preço que pela qualidade.
O que e quem você acha chique?
Mariana Aloise Mendes
, São Paulo, SP

Alexandre Herchcovitch – Chique é poder se vestir sem pensar no que os outros vão pensar. Para mim, o conceito de estar bem vestido está intimamente ligado a vestir-se de acordo com seu gosto pessoal. Quem se veste de acordo com o que gosta está bem vestido.


O que é ser elegante?
Tiago Aboim
, São Paulo, SP
Herchcovitch – É ter educação.


Qual é a posição do Brasil no cenário internacional da moda?
Carlos Alberto A. da Silva
, Rio de Janeiro, RJ
Herchcovitch – A moda no Brasil é um bebê começando a dar os primeiros passos. Somos conhecidos por meio de pouquíssimos profissionais.


O boom que a moda brasileira está vivendo será duradouro?
William Anseloni
, São Paulo, SP
Herchcovitch – O que é duradouro não é o boom, e sim cada estilista, individualmente. Marcelo Sommer e Reinaldo Lourenço são os de que mais gosto.


Você acha importante que o estilista crie uma marca ligada à própria personalidade?
Patrícia Coelho
, Curitiba, PR
Herchcovitch – Se o estilista escolheu colocar na marca seu próprio nome, espera-se ver um pouco de sua personalidade nas criações. Nas minhas, exponho minha coragem e minha dedicação. Procuro pôr em prática tudo aquilo que imagino. Não deixo nada para trás. Acho que todas as minhas criações são corajosas. Sempre vou contra a maré e não me prendo às tendências. Assumo esse risco.


Como é seu processo para a criação de uma peça ou de uma coleção?
Patrícia Ramm
, São Paulo, SP
Herchcovitch – Pensa-se num tema, extraem-se cores de cartela, formas, tecidos, e assim por diante. Mas, normalmente, sou bastante livre para inverter ordens, se isso for conveniente. Não tenho um método rígido.


Como ser criativo em um mundo em que os valores e os gostos se tornam cada vez mais globais?
Welington Rodrigues
, Cândido Sales, BA
Herchcovitch – Imprimindo personalidade às criações e sendo corajoso, não tendo medo de mostrar o que você pensa e sente.


Como é ter sua própria loja em Tóquio?
Bruna Lopes
, São Paulo, SP
Herchcovitch – Foi uma experiência extremamente boa ter loja fora do Brasil porque, assim, pude conhecer um pouco mais de outra cultura por meio de meu consumidor. Aprendi muito com a rigidez dos japoneses. Vi que eles são abertos às novidades, mas também são exigentes com a qualidade e com os prazos. Tenho um pé lá no Japão. Pretendo expandir minha rede de lojas fora do Brasil, mas não tenho nada certo ainda. Gostaria de estar em Nova York, Londres, ou seja, nas principais capitais de moda do mundo.


Por que o mundo da moda é tão cruel com quem está acima do peso?
Cíntia Lobato
, Rio de Janeiro, RJ
Herchcovitch – Cada marca pensa num público-alvo e cada marca tem uma vocação, não se pode generalizar. Eu, por exemplo, faria uma coleção normal e colocaria algumas peças com números maiores.


Você acha que a moda brasileira, por não ter ainda tanta tradição, recebe muita influência da européia? O Brasil já consegue ter características únicas?
Rebeca de Arruda
, Recife, PE
Herchcovitch – O Brasil já consegue ter traços próprios. Os criadores estão menos preocupados com as tendências mundiais e mais preocupados com o público consumidor e com suas vontades. O brasileiro quer uma roupa com bom preço, acima de tudo. Às vezes, ele é muito displicente na qualidade. Ele acaba comprando uma peça somente em função do preço. Mas o que é bom é que ele está sempre aberto para as novidades do mercado.
“Todas as minhas criações são corajosas. Sempre vou contra
a maré e não me prendo às tendências. Assumo esse risco”


Qual é a perspectiva para um profissional de moda no mercado brasileiro?
Amanda de M.M. Barbalho
, Guarapari, ES
Herchcovitch – O mercado está crescendo rápida e ordenadamente. Há vagas!


Terminei o ensino médio e ainda não decidi por uma carreira. Gostaria de saber sua opinião sobre os cursos de Moda. Eles são essenciais para ser um estilista ou é apenas uma questão de vocação?
Carol Picinini
, Matias Barbosa, MG
Herchcovitch – São importantes, sim! Hoje, a formação em moda está muito mais qualificada do que quando eu me formei, em 1993. Mas nunca se esqueça da pesquisa pessoal. As faculdades não dão tudo, elas mostram caminhos.


Tenho 15 anos e estou decidida a cursar faculdade de Moda. O que você recomendaria a uma jovem como eu para alcançar o sonho de ser um grande estilista como você?
Juliana Tavares Moura
, Nova Iguaçu, RJ
Herchcovitch – Comece do básico, aprenda a construir uma roupa a partir da modelagem e da costura. Mas é preciso ser mais que um apreciador de moda para ser um estilista. Para ser um bom profissional, é preciso trabalhar muito, além de gostar do assunto! A maior dificuldade para entrar na carreira é ter idéias novas para conquistar um público específico.


Lembro-me muito de sua coleção inspirada na África, com cores muito vivas. Apesar de usar outros países como tema, você faz questão de ter o Brasil sempre presente em suas criações?
Nathália Geraldo
, Santos, SP
Herchcovitch – O Brasil está sempre em minhas coleções. O fato de eu ser brasileiro aparece, de alguma maneira, em minhas criações. A brasilidade está no simples fato de eu ter nascido aqui, mas de maneira alguma preciso reafirmar a cada instante que sou brasileiro.


Em sua biografia, li que seu estilo mistura a ousadia da noite paulistana com a rigidez de sua educação judaica. Você concorda com essa definição?
Mirla Muriel Martins
, Taguatinga, DF
Herchcovitch – Não são definições, e, sim, alguns acontecimentos em minha vida que estão ou estiveram presentes em minhas criações. A imprensa, geralmente, precisa rotular para ser mais bem entendida.


Você tem sucesso, dinheiro e fama. O que busca agora na vida?
Caio Mauricio
, Belo Horizonte, MG
Herchcovitch – Paz e tranqüilidade.


"Algumas obras primas do extraordinário Herchcovitch"

2009 01 19 alexandre herchcovitch spfw inverno 2009 galeria uol66 São Paulo Fashion Week   Inverno 2009   Alexandre Herchcovitch fotos
2009 01 19 alexandre herchcovitch spfw inverno 2009 uol1 São Paulo Fashion Week   Inverno 2009   Alexandre Herchcovitch fotosalexandre herchcovitch spfw inverno 2009 uol55 São Paulo Fashion Week   Inverno 2009   Alexandre Herchcovitch fotos
 
Merece todos os aplausos!

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comentários:

Blog Consuma com Moderação disse...

Oi Geisa!
Adorei o seu blog!
Sou apaixonada pelas criações do Alexandre, adorei o post.
Beijos,

Geisa Lima disse...

Obrigada Rô!.Ele é único.

Postar um comentário